Revitalização da W3 Sul: a avenida é nossa

Revitalização da W3 Sul: a avenida é nossa

Revitalização da W3 Sul: a avenida é nossa

Projetos de revitalização da avenida W3 Sul, um dos principais eixos rodoviários do Distrito Federal, existem, pelo menos, desde a década de 1980. Muitos foram os esforços para tirar os planos do papel. Contudo, apenas em 2017 um movimento de renovação deu forma às tentativas, com a inauguração do empreendimento Renova W3 , na 512 Sul.

O esforço foi retomado pelo Governo do Distrito Federal (GDF) dias antes da comemoração do 59º aniversário de Brasília, em abril de 2019. O projeto oficial começou exatamente nas entrequadras 511/512 Sul, onde fica o edifício Renova W3 , pioneiro na busca pelo renascimento da via e desenvolvimento urbano da capital.

O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas do Distrito Federal (CDL/DF), José Carlos Magalhães, explica que as duas quadras são as que têm os maiores bolsões de estacionamento de toda a avenida. Ele está otimista com o projeto de revitalização iniciado em 10 de abril. “A W3 Sul possui um espaço amplo, pertence a uma cidade que é patrimônio da humanidade e, por isso, não pode ficar degradada como está”.

De acordo com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh), as duas quadras foram escolhidas para ser o projeto piloto da ação que vai se estender por toda W3 Sul, cujo tamanho é de mais ou menos sete quilômetros.

“Seria muito difícil implementar obras simultâneas em toda essa extensão. Então, esse projeto de revitalização vai ser conduzido por etapas”.

Giselle Moll Mascarenhas, secretária adjunta da Seduh.


Quem acabou com a W3 Sul?


Roosevelt Dias Brandão tem a resposta: “o Conjunto Nacional”, garante o presidente do Clube dos Pioneiros de Brasília e corretor de imóveis responsável pelo lançamento do shopping em maio de 1968. O Conjunto foi o segundo mall construído no Brasil e um dos maiores empreendimentos dos primeiros anos do Distrito Federal.

No Brasil dos anos 1960, a única referência de shopping center era o Iguatemi São Paulo. Por isso, diz Brandão, uma equipe de profissionais de diversas áreas foi enviada à Europa e aos Estados Unidos para conhecer as possibilidades. Com o Conjunto Nacional pronto, os consumidores perceberam uma vantagem em relação à avenida.

“Na W3 Sul, você estacionava o carro e ia andando até onde podia. Depois, pegava o carro novamente e ia mais para a frente. Nesse sentido, o shopping foi mais cômodo: o carro ficava no estacionamento ali perto enquanto você andava pelo edifício para fazer as compras protegido do sol e da chuva”.


Roosevelt Dias Brandão, presidente do Clube dos Pioneiros de Brasília.

A verdade é que a via W3 Sul, da forma que está, não fortalece o desenvolvimento urbano e a circulação de pessoas. Esse é um dos pontos que vão ser sanados com o projeto de revitalização, diz o Secretário de Habitação do DF, Mateus Leandro de Oliveira.

“A renovação da W3 é uma prioridade e uma necessidade. Vamos criar um espaço urbano de qualidade, com calçadas que sejam acessíveis e bem cuidadas para que a pessoa, depois de estacionar o carro, possa circular com segurança e tranquilidade”.

Mateus Leandro de Oliveira, Secretário de Habitação do DF.

Tentativas frustradas


Em sua origem, a W3 Sul não recebeu muita atenção de seu criador, o arquiteto e urbanista Lúcio Costa. Projetada apenas para abrigar garagens e depósitos, só ganhou status de rua comercial quando a área das 700 tornou-se residencial, entre os anos 1960 e 1970. Foi aí que a W3  atingiu o ápice, tornando-se a principal avenida da cidade. Mas a glória do passado não impediu a crônica decadência iniciada em 1980.

Em seu trabalho “ Ocupa a W3 Sul – um estudo para a reabilitação da avenida”, a pesquisadora Ana Paula Seraphim, da Universidade de Brasília, conta que, em 1982, a Associação Comercial encomendou ao arquiteto Antônio Carlos Gomes um projeto de revitalização que transformaria a W3 Sul em um shopping horizontal.

Gomes propôs inverter o sentido da via W2 e permitir acesso às lojas simultaneamente através das duas avenidas. O gabarito das quadras 500 seria aumentado e os estacionamentos do canteiro central — que têm cerca de 10 metros e divide as duas mãos da W3 Sul — seriam extintos, aumentando o fluxo para pedestres e aprimorando o desenvolvimento urbano da região.

Em 1997, foi discutida a revitalização com base no Projeto de Lei nº 1.780. Em 1998, comerciantes e prefeitura da W3 propuseram melhorias na iluminação e criação de mais vagas. Em 2002, o Governo do Distrito Federal e o Instituto dos Arquitetos do Brasil lançaram um concurso para escolher o melhor projeto de revitalização.  Depois, em 2007, o GDF buscou o Instituto Jaime Lerner para desenvolver uma proposta de Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) para a W3 Sul.

Renova W3

O Renova W3 foi construído exatamente onde, ainda nos anos 1960, foi erguida a primeira edificação da W3 Sul: a Galeria Planalto.  Por ocupar dois lotes entre a W3 e a W2, o prédio tem acessos por ambos os lados, se comunicando com as duas vias e facilitando a circulação de pedestres. Esse é um dos pilares que sustentam o atual projeto de revitalização da avenida.

A fachada escura do prédio, sem dúvida, se destaca do visual que polui os sete quilômetros de extensão da W3 Sul. Mesmo austero, o edifício é atraente para o comércio e o desenvolvimento urbano. Inclusive, funciona lá o pré-vestibular Escrita Única, que prepara quase mil jovens para universidades federais.

Sharlene Leite, sócia e diretora do Escrita Única, conta que os espaços
humanizados do prédio foram determinantes para que a empresa se estabelecesse na W3 Sul. “O prédio é moderno e eu o julguei como referência em construção e projeto arquitetônico. A arquitetura é fundamental para o aprendizado”, destaca a professora de redação.

Nilson Caetano, professor de geografia e um dos sócios do Escrita Única, conta que o pré-vestibular tem um projeto de revitalização do beco ao lado do edifício.

“A Avenida W3 Sul já foi centro cultural e de movimentação de pessoas em Brasília. Embora isso tenha se perdido a partir dos anos 1980, queremos fazer uma transformação espacial aqui com grafite modernizado e música, sobretudo nos fins de semana. A ideia é que não só os alunos, mas a sociedade no geral possa conviver aqui”.


Nilson Caetano, professor de geografia e um dos sócios do Escrita Única

Gostou dessa história? Então assista ao primeiro vídeo da série sobre a renovação da W3 .

Comments (2)

  1. Marcelo Estefano
    abril 23, 2019 at 00:38 am

    História muito interessante. Gostei!

  2. Rafael
    abril 23, 2019 at 01:03 am

    Legal que vocês falam desse prédio “Renova W3” e não colocam uma imagem dele. Parabéns.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O que você procura?